sábado, dezembro 14

Adormecer

Nesta noite gélida, fiquei acordada. Contava os teus cigarros apagados, enquanto ouvia o teu respirar dos lençóis. Na noite passada, observei-te a desenhar suspiros de tabaco, enquanto me deitava a pensar em ti. Foram suspiros longos, os mais longos de todos. Carregavas pedaços de angústia. E eu só quis chorar, quis chorar contigo.
Olhava para o meu lar banhado de um adormecimento profundo e sorria por ainda te ter comigo. A tua respiração, num ritmo pausado, ecoava em mim. No meu pensamento rasgado de felicidade. Agarrei-me ao teu pescoço, e dancei o silêncio com a tua alma.
A noite arrastava-se e a madrugada aproximava-se. De tão perto, amei-te mais uma vez. Um sorriso delicado surgiu no teu rosto angustiado, cobri os teus lábios drasticamente desidratados, e perdi-me em ti.

4 comentários:

  1. oh doce filipa, obrigada, muito obrigada! e tu igual, este texto deliciou-me. que bom que é perdemo-nos nos outros, não é? sabe tão bem:)

    ResponderEliminar
  2. E tão bom que é amar assim...

    ResponderEliminar
  3. já há uns dias prometi-te que aqui viria comentar os teus pensamentos e aqui estou, finalmente! Como já te disse, achei extraordinariamente lindo e magnificamente profundo. Continua a escrever como escreves, e seras grande! himalaias at ao fim, te amo. Por tudo e para tudo ;)

    ResponderEliminar